domingo, 19 de fevereiro de 2017

Domingo, na preguiça, em passeio, nos copos, nas tapas, mas sempre em modo “cusco”

Um dos primeiros blogues que visitei aquando da criação do “Ilha do Sol”, foi o do Paulo. “Enfim!”, um cenário delicioso, claro que estou a falar dos bonitos chapéus de palha. Gosto, gosto tanto que até tenho um.
Como não gostar de um blogue que começa por nos mostrar o rabo e tem chapéus de palha?
Brincadeira à parte, chamou-me desde logo a atenção para uma frase exposta:
 
“Quando se tem saudades é porque a vida valeu e vale muito a pena!”
Não é por mero acaso que da palavra “Saudade” se fez o “fado”… Cada um de nós, por si, por felicidade ou infelicidade da vida, ou do destino, ou do que mais se acredite, é responsável, senão pelos maus momentos, pelo menos pelos bons… sempre fui um lutador e espero nunca perder tal característica e que nunca deixe a filha da puta da vida o levar (ver tópico anterior).
A vida não só “vale muito a pena”, como a devemos aprender a viver sem ressentimentos, a gozar o que de bom nos surge/procuramos, a multiplicidade de opções que se nos é oferecida a cada momento, a cada instante.
Viver o grande amor, a paixão que nos eleva, nos dá aquele brilhozinho nos olhos, nos faz sorrir e nos preenche.
Visitar um novo local, caminhar perdido, procurar novos cheiros e sabores.
E sempre que possível “Matar” as saudades dos amigos, da família e de tudo o que nos faz feliz, de tudo e de todos aqueles que nos fazem sentir… vivos, com a pulsação bem a ferver, com ganas de mais, de muito mais…
Com sol ou chuva, vai lá para fora ou recebe amigos/amantes, mas sobretudo, vai lá fazer por ter saudades.

5 comentários:

  1. Olha só que surpresa quando entro aqui para ver o novo post do amigo do outro lado do Atlântico e me deparo com menções elogiosas a meu respeito. Lindo e definitivamente me comoveu e me ganhou de vez.
    Você tem o dom de manusear as palavras meu caro amigo.
    A empatia é algo que se estabelece à primeira vista e foi assim quando você apareceu pela primeira vez lá no Enfim!. Vim aqui e pronto: O elo estava feito.
    Sim, sou uma pessoa sensível e movida pela paixão mas, também tenho meu lado racional e pragmático desenvolvido ao longo da vida, como um escudo protetor.
    O Chapéu! De palha, de tecido, seja do que for ... uma marca registrada do Bratz sem dúvida.
    Querido amigo! Super feliz por ter te encontrado e estar por aqui mais uma vez.

    Beijo grande e carinhoso aqui do outro lado do Atlântico.

    ps: Não sei se já te falei. Tenho projeto de ir a Lisboa e Porto ainda este ano. Era para ser agora em Maio mas fui obrigado a remarcar para Outubro. Ansioso já.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado Paulo! Só mais tarde vi que o chapéu não era de palha... :) Dentro das limitações de tempo, vou continuar a "conhecer" blogues e fazer por deixar a escrita fluir.
      Viajar liberta a mente e encanta o corpo, fazes muito bem, em Outubro, normalmente, a temperatura ainda é agradável (não tanto como o Rio de Janeiro). Tanto o Porto como Lisboa merecem um fim-de-semana. Este ano estou um pouco atrasado no planeamento dos meus passeios, mas também já sinto falta.

      Eliminar
    2. Conheço Lisboa e amei. Um dos melhores destinos que tive o prazer de desfrutar aí na Europa. Porto é o meu sonho de consumo atual.

      Beijão

      Eliminar
  2. Gosto de voltar ao passado onde não fui feliz :) onde fui dá-me muito mais tristeza

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz uns meses, um amigo disse-me "Nunca voltes onde foste muito feliz"... Há locais, por mais voltas que dê... nunca serei capaz de deixar de os voltar a visitar. Mas entendo o ponto de vista, se tiveste em determinado local momentos excepcionais, a probabilidade de teres um "dia" ainda melhor será difícil... still... Onde não fui feliz... aí sim... não gosto de voltar, posso até enfrentar os medos/memórias, mas... tenho tantos locais felizes e desconhecidos para ir que não quero os outros. A vida é curta para tristezas

      Eliminar